Tecnologia como Segunda Graduação para os Profissionais da Área Jurídica

A formação e aprimoramento técnico-profissional nas carreiras jurídicas está diante de novos desafios educacional em função das novas competências e habilidades que são necessárias para atuar em uma sociedade tecnológica.

Tribunais e escritórios de advocacia adotam rapidamente as mais modernas tecnologias. A tramitação dos processos judicais passa a ser preponderantemente digital, a produção de provas técnicas está cada vez mais presente nas disputas e a inteligência artificial torna-se aliada importante dos juizes, promotores, delegados e advogados. Essas transformções são tão intensas que, diante delas, podem não ser mais suficientes apenas conhecimentos genéricos obtidos em uma ou duas disciplinas ofertadas em cursos de graduação ou de pós-graduação, especialmente se frequentados há alguns anos.

Operadores do direito que atuam em áreas como Direito Digital, Direito das Telecomunicações, Direito Aeronáutico, Direito Eleitoral, Direito Médico, Direito da Família, Propriedade Intelectual, Criminalística e outras áreas do Direito Civel ou Penal passam a se defrontar cada vez mais com intricadas questões técnológicas.

Essa visão sensibilizou os professores Giuliano Giova e Jefferson Hengles durante a construção do Curso Superior de Tecnologia em Defesa Cibernética, ao considerar o interesse dos operadores do Direito que desejam agregar conhecimentos tecnológicos mais sólidos frequentando uma segunda graduação a distância.

Assim, além do foco na primeira graduação de jovens provenientes do ensino médio, como aqueles da Geração Z e, brevemente, da Geração Alfa, o curso se destina rambém a juízes, promotores, delegados e advogados que pretendem acrescentar às suas carreiras jurídicas uma sólida formação em tecnologia. Até mesmo a convivência desses grupos se mostra benéfica.

Os professores lembram que a graduação tecnológica é rápida, são apenas cinco semestres na modalidade a distância (EAD), portanto em qualquer horário, o que é conveniente para o profissional jurídico empenhado em muitas atividades ao longo do dia.

Os semestres iniciais do Curso de Tecnologia em Defesa Cibernética são aderentes ao perfil dos profissionais da área jurídica, proporcionando-lhes aproximações graduais rumo às ciências exatas e aos assuntos tecnológicos, abordagem rara nos demais cursos de graduação ou pós-graduação usualmente ofertados aos profissionais jurídicos. Mais ainda, os demais cursos de graduação ou pós-graduação dificilmente se dedicam verdadeiramente à tarefa de proporcionar aos profissionais do direito a segurança conceitual necessária para que eles possam compreender, discutir e decidir sobre questões tecnológicas mais complexas debatidas na construção do ordenamento jurídico ou nas ações judiciais.

Já os últimos semestres da graduação tecnológica oferecem a imersão prática do profissional jurídico nas tecnologias mais atuais, promovendo a franca aglutinação dos saberes jurídico e tecnológico, além de proporcionar ao profissional jurídico o acréscimo de uma segunda profissão na área tecnológica. Não passa desapercebida a crescente importância dos profissionais que possuem graduação em direito e dominam as competências para atuar como gestores de riscos cibernéticos, encarregados de proteção de dados, desenvolvedores de software ou gestores de inovação.

A faculdade proporciona cinco semestres de atuação hands-on em laboratórios remotos, neles o aluno realiza, sempre a distância, atividades práticas em questões sobre física, eletrônica, telecomunicações e tecnologia da informação, individualmente ou em grupo com outros profissionais jurídicos e de tecnologia. As mais renomadas empresas mundiais de tecnologia colaboram na construção desse ambiente acadêmico interativo .

Finamente, o profissional jurídico não precisa prestar vestibular na Faculdade Ibptech de Ciências Forenses e Tecnologia, ele ingressa diretamente no primeiro semestre do curso e logo passa a receber certificações intermediárias em assuntos tecnológicos específicos, alavancando rapidamente seu aperfeiçoamento para atuar na área pública ou na iniciativa privada.

A visão multidisciplinar do curso proporciona maior segurança na atuação que envolve o direito e questões tão palpitantes como estratégias para segurança da informação, defesa cibernética, crimes de alta tecnologia, compliance digital, proteção de dados, inteligência artificial e muitas outras.

Diversas mesas-redondas com debates sobre a adoção do Curso Superior de Tecnolgia em Defesa Cibernética pelos profissionais jurídicos estão disponíveis na TV Faculdade Ibptech, no YouTube.